terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

A gente olha pra um lado, e o outro muda

Nação: tem a idéia que significa a reunião de pessoas, da mesma raça, falando o mesmo idioma, tendo os mesmos costumes e adotando a mesma religião, formando,assim, um povo, cujos elementos componentes trazem consigo as mesmas caracteristicas raciais e se mantêm unidos pelos hábitos, tradições, religião e língua. Mas tudo isso é secundário, pois o principal fator para a evidência de uma nação assenta no vínculo que une estes indíviduos, determinando entre eles a convicção de um querer viver coletivo.

País: de uma forma geral, é um território social, política, cultural e geograficamente delimitado.A definição de país não é necessariamente compatível com as definições de reino, império, república, nação e Estado, mas, na atualidade, independentemente da forma de governo adotada, todos os Estados soberanos são considerados países.

Quando o Ocidente se acha estabilizado voltamos nosso olhar pra os outros e seus problemas. Mas o Ocidente é grande. Dezenas de conflitos internos espocam por diversos países, mas não aprendemos ainda que o "silêncio" não demonstra que tudo está bem.

O século XX foi um século que durou uma eternidade. Desenvolvimento cultural e ciêntífico que nunca, se teve em tão curto período. A Política avançou e o capitalismo se consolidou. Para tal o mundo precisou se organizar.

Depois da dominação externa os povos da Europa se reunificaram, deram origem a países. Veio a idéia da ampliação da fronteira e expanção de territórios, trazendo guerras. Todos foram afetados. Quando a violência em massa cessou veio a eterna ameaça. Sob a cortina de fumaça da tensão que rondava o globo as pessoas queriam seguir suas vidas. Algumas viviam sob ordens de quem não conhecia, sob pressão militar, sob um regime que não lhe agradava

A fumaça passou e todos puderam ver o que havia no mundo. Nações desorganizadas, povos reprimidos e países que não eram de seus habitantes.

Quando o comunismo acabou o território dominado por ele começou logo a se reorganizar. Quem não se lembra da Iugoslávia? Ela se mantinha unida e tentava ser neutra, mas carregava conflitos sociais gerados pela união de povos diferentes sob a mesma bandeira desde o início do século. Eu lembro dela na Copa do Mundo, nas Olimpíadas, nos jornais.

Com novos países (re)nascendo na Europa, a região da península balcânica, que formava a Iugoslávia, começou a se separar e declarar independência, unindo seu povo e dando território político a sua nação. Veio a Eslovênia, Croácia, Macedônia e Bósnia Herzegavina em 1992. Na Bósnia um conflito armado perdurou durante anos pela dominação política do novo país.

Sob a antiga bandeira permaneceram Sérvia e Montenegro até 2003 e em 2006, num processo democrático, Montenegro se tornou independente da Sérvia.

Achei que aquela região estava finalmente organizada. Mas era engano meu. Olhei pros conflitos asiáticos e africanos e nem percebi que ainda havia gente insatizfeita lá.



Balcãns



Entre 1996 e 1999 uma guerrilha tentava libertar Kosovo da Sérvia. Lembro do jornal sempre noticiando as mortes. Era tão comum quanto hoje é no Iraque.

Seguido a instabilidade a OTAN entrou em conflito com a Iugoslávia (Sérvia). Em 1999 a ONU veio estabilizar a região sob acordo. Nos anos que se seguiram os Sérvios deixaram-na e Albaneses retornaram.

Guerra de Kosovo

E ontem, 17 de Fevereiro de 2008, Kosovo se declara independente. Não foi um acordo, mas era algo que iria acontecer um dia. Kosovo já tinha seu própio parlamento e nunca foi tão unido a Sérvia pós guerra-fria.



Nova bandeira e território



A maioria albanesa comemora, a minoria sérvia resiste. Teme-se que haja violência interna. A Sérvia, que vê na região o berço da nação, e a Rússia não aceitam o novo país. A UE não deu uma posição única; Se não aceitam a declaração, ao menos não a desaprovam. Em suspensão fica o clima à espera do reconhecimento internacional.

O que qais acho interessante é a maneira pacífica de tal ato. Houve violência interna e há a insatizfasão de uns, mas ao pensarmos que a formação de territórios sempre se dava de forma violenta vemos que a exemplo de Montenegro pode haver acordo.

Um momento histórico, e olha que vivi muitos no final do século XX. A História está acontecendo tão rápido que nem nos damos conta.

Lembra-mo-nos que há nações que ainda lutam por independência no Ocidente, como o País Basco entre a Espanha e França, e fica a esperança de paz e diálogo no Oriente Médio e na África.

Na eterna busca do ser-humano pela paz e pelo bom convívio, é a esperança que nos mantém vivos.

Vamos aguardar, se veremos um dia, Kosovo, País Basco e Palestina na ONU e nas Olímpiadas.

E não nos esqueçamos dos povos da África.

Um comentário:

Mariana disse...

Pesquisou pra escrever isso, hein?
ficou grande mas ficou bom...